Panorama de mercado – 18 de outubro

mercado-financeiro-o-que-e-btg-pactual.jpg (1000×667)

Novidades na BRF. A empresa negocia acordo de leniência no qual pretende detalhar o esquema de suborno a fiscai agropecuários investigado pela PF nas operações Carne Fraca e Trapaça.

O IBC-Br (Índice de Atividade Econômica do Banco Central), divulgado mensalmente e que funciona com uma espécie de comportamento mensal do PIB, tem saído acima do esperado, mostrando um crescimento sobretudo do setor de serviço. Esses dados têm feito com que as principais casas de análise descartem as previsões mais negativas para o PIB de 2018. UBS, por exemplo, espera uma alta de 1% para o PIB de julho a setembro.

Ontem, União Europeia e Estados Unidos trocaram farpas sobre o acordo comercial firmado em julho. O clima não vai muito bem, levando a eminência de uma nova guerra comercial. Inclusive, falando em guerra comercial, a China já sofre internamente com elevação dos preços e, consequentemente, da inflação, a qual subiu 2,5% em setembro.

Falando um pouco de commodity, o minério de ferro tem registrado altas (inclusive, revertendo toda desvalorização acumulada do ano). Fator positivo, obviamente, para as mineradoras brasileiras.

No panorama de ontem, falamos sobre as incorporadoras, sobretudo aquelas do segmento alto padrão, que tendem a se valorizar. Indo de encontro, a Lopes lançou uma plataforma exclusiva para venda de imóveis de alto padrão (acima de 3 milhões) objetivando o provável aquecimento do mercado.

Outubro foi um mês positivo para as ações do “kit eleições” (aquelas que, se Bolsonaro eleito, provavelmente serão fortemente beneficiadas): Petrobras, Eletrobras, Banco do Brasi, Itaú Unibanco, Bradesco, Magazine Luiza, Lojas Renner, Cemig, Copel e Embraer. O valor de mercado dessas empresas em outubro já cresceu 19,7%, sendo, portanto, as principais responsáveis pela alta do Ibovespa. Casas de análises de grandes bancos sugerem um Ibovespa a 90 mil pontos sendo puxado sobretudo por essas ações, entretanto, veem como um grande impeditivo para isso o momento internacional de cautela e apreensão com o aumento dos yields dos treasuries.

Hoje sairá um dado que não costuma gerar tamanha volatilidade, mas dessa vez gerará! O PIB Chinês será divulgado às 23h (horário de Brasília) e o mercado está muito atento a esse dado a fim de identificar eventuais impactos da guerra comercial e, assim, aumentar ou diminuir a cautela com o mercado.

Ontem saiu a ata da reunião do FED, e ao contrário do que Trump quer, os membros do FED sinalizaram novas altas de juros e um ciclo cada vez mais apertado. Foi defendido na ata “elevar temporariamente a taxa dos fundos federais acima de suas estimativas para o nível de longo prazo, de modo a reduzir o risco de exceder continuamente o objetivo de inflação de 2% do comitê ou o risco colocado por desequilíbrios financeiros significativos”.

Calendário Econômico
09h30m – Índice de atividade industrial/FED Filadélfia
10h e 12h30m – Discursos de membros do FOMC
11h50m – SWAP Cambial de até 7,7k contratos (resultados)

Índices Mundiais
Ásia fechou em baixa
Europa ariu em baixa
Futuros estadunidenses operam em baixa
Índice dólar em baixa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *